23 de janeiro de 2016

[Resenha] As Pontes de Madison

 Título: As Pontes de Madison
Autor (a): Robert James Waller
Editora: Única
N° de páginas: 192
         Classificação:            
                

Sinopse: O ano é 1965, e a cidade de Iowa, interior dos Estados Unidos, parece estar ainda mais quente nesse verão. Francesca Johnson, uma mãe de família que vive uma vida pacata do campo, não espera nada além dessa temporada do que o retorno dos filhos e do marido, que viajaram. Sua tranquilidade, porém, será interrompida com a chegada de Robert Kincaid, um fotógrafo de espírito aventureiro que recebeu a missão de registrar as belíssimas pontes de Madison County.

As Pontes de Madison é um livro pequeno, de leitura rápida (a minha demora com a leitura foi por coisinhas pessoais) e que contém amostras de um amor verdadeiro em cada passada de página. A leitura me lembrou bastante o livro Noites de Tormenta, de Nicholas Sparks, o qual mostra um homem, até então desconhecido pela mulher e pelas pessoas locais, que passa a conhecer a mesma e acaba criando uma relação mais íntima.

Isso também se passa em As Pontes de Madison, mas de uma forma um pouquinho diferente. Foi ótimo ler sobre um personagem fotógrafo, já que eu adoro sair fotografando por aí. O livro não tem nada de extraordinário (salvo pelo amor mágico dos personagens), mas é uma leitura gostosa e descontraída. A história é baseada em um amor real, o que tornou o livro mais especial pra mim. O exemplar foi recebido em parceria com a Editora Gente/Única
Robert Kincaid é um fotógrafo americano, que viaja para Madison County a trabalho, em busca de belas fotografias das pontes de Madison, para a revista National Geographic. Com pouco tempo na cidade, a presença de Robert já estava rendendo muitos comentários pelos moradores locais. Perdido na cidade, ele acaba conhecendo uma moradora do local, Francesca, que lhe mostra o caminho para a Ponte desejada.


Francesca é uma dona de casa, mãe de dois adolescentes e casada. À primeira vista, vê o fotógrafo com um certo olhar diferente. Ele era o inverso dos moradores locais: tinha cabelo grande, vestia calças cáqui, camisa, suspensórios laranjas e até sandália, o que a maioria dos homens de cidade nunca pensariam em experimentar. E, para completar, era um homem que sabia como lidar com uma mulher. Mesmo após lhe mostrar o caminho, a presença de Robert fazia brotar uma coisa diferente dentro dela, e a imagem daquele americano não saía de sua cabeça. 

Como seu marido e os filhos estavam fora da cidade, ela acaba aproveitando a oportunidade para convidar Kincaid para um jantar a dois, e ele acaba aceitando o convite. O que antes parecia uma atitude inocente, agora se tornara um momento de intimidade com um estranho fotógrafo de Washington.


Velas, vinhos, danças, momentos que poderiam ser descritos como poesia, um romantismo até então não presenciado por Robert e Francesca. As palavras ditas por Kincaid se transformavam em poesia e os momentos, únicos para os dois. Mas a vida pode mudar seu rumo de uma hora para a outra? Pode um amor tão grande desabrochar da noite para o dia? Perguntas soltas que são bem respondidas com a leitura desse romance fofo que foi passado para o papel por Robert James Waller. Leitura recomendada!
Acompanhe a Editora Gente e Única:

2 comentários:

  1. Muito bom o seu blog,parabéns!Você disserta muito bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Ana! Muito obrigada, fico feliz que tenha gostado!
      Beijos

      Excluir