26 de julho de 2015

[Resenha] Eu te Darei o Sol

Título: Eu te Darei o Sol
Autor(a): Jandy Nelson
Editora: Novo Conceito
N° de páginas: 384
  Classificação: 
        

Sinopse: Eu te darei o sol - Noah e Jude competem pela afeição dos pais, pela atenção do garoto que acabou de se mudar para o bairro e por uma vaga na melhor escola de arte da Califórnia. Mal-entendidos, ciúmes e uma perda trágica os separaram definitivamente. Trilhando caminhos distintos e vivendo no mesmo espaço, ambos lutam contra dilemas que não têm coragem de revelar a ninguém. Contado em perspectivas e tempos diferentes, EU TE DAREI O SOL é o livro mais desconcertante de Jandy Nelson. As pessoas mais próximas de nós são as que mais têm o poder de nos machucar.
 
Eu te Darei o Sol foi um livro muito falado nas redes sociais desde o anúncio de seu lançamento, ganhando muitos elogios e classificação bem generosa. Fiquei muito interessada para ler desde que começaram os rumores, mas até então eu não tinha nem folheado o livro. E então essa semana eu disse: "ele será o próximo" e comecei a mergulhar no mundo de Noah e Jude. E digo para vocês: eu cheguei a pensar em dar uma pausa na leitura, quase que abandonar o livro. Mas ainda bem que eu não fiz isso. A partir de uma determinada página, lá para a 90 para ser mais precisa, a leitura decolou. Eu não consegui largar o livro e minha curiosidade só foi aumentando cada vez mais à medida que fui descobrindo coisas, descobrindo ligações que eu nem podia imaginar. Eu pensei que não tinha começado a ler em uma boa época, mas foi na hora certa. Se tornou um dos meus queridinhos desse ano. E o final? Ah, o final. Nós temos um desfecho que clareou minha mente a respeito de coisas que aconteceram no livro e foi fofo. Muito fofo. E lindo. E, gente, leiam esse livro. 
Noah e Jude são irmãos gêmeos inseparáveis. Brigam, às vezes se afastam, mas parece que há um imã que os conectam de volta. Noah é um exímio artista, desenha com a alma e com o coração. Jude cria suas esculturas de mulheres de areia na praia, o que sua mãe acha excelente. Os dois possuem um propósito, muito apoiado pela mãe e uma influência da mesma: conseguir entrar para a CSA, uma escola de arte na qual só ingressam os melhores. Mas dá para perceber que Noah está muito mais interessado nisso do que Jude. E eles treinam para desenvolver o dom da arte cada vez mais, para conseguirem ser aceitos e provar para eles próprios que o que fazem realmente são coisas valiosas, que eles realmente nasceram com o dom para a arte. Vemos que a mãe deles tem mais afinidade com Noah e o pai, com Jude. 
Nos capítulos em que Noah tem 13 anos, quase 14, conhecemos um garoto que sofre bullying, inseguro e que é chamado de "Bolha" pelos valentões da escola. Até que ele conhece Brian, o seu novo vizinho que sempre o observa e quem ele sempre está observando pelo telhado de sua casa. Eles acabam ficando amigos e depois mais do que isso, sendo que Noah se sente eletrizado por qualquer toque de Brian. E Brian sente o mesmo por ele e a partir daí vai crescendo um sentimento. Mas que é interrompido por coisas que acontecem e que formam uma confusão e uma tristeza sem fim. 
E em Jude, também nessa idade, vemos uma garota surfista, ciumenta por causa de seu irmão e com relacionamento um pouco complicado, em sua fase um pouco rebelde da vida. Vemos o quanto ela deseja ter o dom da arte em suas mãos, como o seu irmão. E aí ficamos sabendo que quem entraria para a CSA não seria Noah, mas sim Jude. Então ele destrói as criações dela, apaga fotos, tentando descontar nela a raiva por ele não ter sido aceito e se cobrando cada vez mais. E então o improvável acontece e um acidente acaba abalando toda a estrutura familiar deles.
Três anos depois (ou quase isso), vemos o quanto os dois irmãos mudaram. Jude está no seu segundo ano na CSA (pois precisou de um ano para se preparar para entrar lá) e precisa urgentemente de fazer uma escultura que não venha a quebrar sem motivo algum, como todas as outras que ela tinha feito. Então, ela tenta buscar ajuda e acabam indicando para ela Guillermo Garcia, um escultor magnífico que não estava mais em sua melhor fase da carreira. Ela então decide que precisa fazer uma escultura em pedra, porque pensa que todas as outras foram quebradas por sua mãe já falecida. E que essa seria uma forma de se desculpar com ela.
O escultor então resolve ajudá-la e aí surge uma relação afetuosa entre os dois, ela conhece novas pessoas e sua vida começa a mudar em um ritmo bem rápido. Ela vai se vendo cada vez mais fazendo parte dessa obra que tanto deseja esculpir na pedra. 
A história vai alternando entre Noah e Jude, também entre as idades de 13, 14 anos e 16 anos dos dois. Achei isso super interessante, pois quando acabava o capítulo que falava dos 16 anos de Jude, por exemplo, eu começava a ler o de Noah e ficava ansiosa para saber o que ia acontecer com Jude e assim sucessivamente. Acho que esse foi um dos fatores que influenciaram no fato de eu sentir que precisava saber do final, de ficar ansiosa para ver o que aconteceria com os personagens e também por ficar um pouco triste por ter lido tudo de uma vez. Mas histórias boas são assim, não é mesmo?
Ao decorrer do livro, vamos descobrindo mais sobre a família Sweetwine e começamos a ter um olhar diferente das coisas. Apesar do livro ter quase 400 páginas e a princípio parecer grande, eu fui me acostumando com a escrita da Jandy Nelson - que aliás eu adorei - e acabei me apaixonando pelo livro.
Super indicado!

Acompanhe a Editora Novo Conceito:
Acompanhe o blog:
Beijos ♥

4 comentários:

  1. Apesar de ter achado a proposta do livro bacana, tive uma opinião quase contraria a sua. Achei um tanto maçante e lento. Não que seja ruim, mas deixou a desejar. Mas é questão de gosto mesmo. Parabéns pela resenha ;)

    Blog: Cantina do Livro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Carlos Magno! Sério? Poxa, que pena. Eu adorei!
      Abraço :)

      Excluir
  2. Aiiiii virou um dos meus queridinhos também! <3
    Eu amei a história e todos as emoções que ela conseguiu me passar, me emocionei bastante também e como torci para o Ralph! kkkkkk
    Acabei me identificando mais com o Noah pela questão dos desenhos, mas quando conheci a Jude com 16 anos ela conseguiu me fazer perdoar algumas coisas que ela tinha feito.
    Queroooo outros livros da Jandy! \o/

    Beijos Katen e até daqui a pouco!
    https://worldofmakebelieveblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, lindona! Eu adorei, mesmo! Também já quero outros livros dela ;)
      Beijos <3

      Excluir